O novo olhar de liderança que a pandemia nos ensinou

“Quando se cria o hábito de envolver a equipe em decisões estratégicas, a cumplicidade passa a ser um processo natural”, avalia a especialista em Gestão de Recursos Humanos, Marcia Dolores Resende | Foto: divulgação

*Por Marcia Dolores Resende

A liderança é um suporte fundamental em uma crise global sanitária, social e econômica. Ela se torna um pilar de sustentação para que as decisões e transformações sejam ágeis, estratégicas e sistêmicas, com foco na resolução dos três pontos da crise atual.

Nos últimos meses, em diversas situações, veio à tona a questão: como liderar com o isolamento social? Passei a dar minha resposta com outra pergunta: o que você procrastinou ou evitou desenvolver no modelo da sua liderança? A razão de devolver a resposta com esta questão é fazer refletir sobre o que foi desconsiderado nos últimos tempos.

O que vivemos hoje é fruto de um modelo de liderança praticado há muito tempo. Uma liderança voltada para interesses imediatos e com uma total cegueira metódica. Deixa-se de lado o fato de que ninguém faz nada sozinho, e que se existe um líder, é porque há uma equipe por trás.

Quando aprofundamos a conversa sobre valores e competências para formar uma liderança de qualidade, os clichês se repetem com argumentos vazios, prevalecendo o ambiente nocivo de competição, onde despeito, arrogância, inveja e desmotivação drenam a produtividade.

Isso mostra uma carência de um modelo pautado em cultura, metas, métricas, mensuração e sucessão, além de características essenciais, como saber lidar com gente, ser diligente, carismático e ter o dom de inspirar as pessoas. A colaboração, por exemplo, se tornou uma competência de grande valor e destaque nos últimos tempos.

A conclusão é que a genialidade, da forma como o mundo corporativo vem propagando, é paradoxal ao modelo de uma liderança plural e visionária. Um formato atrasado, que classifica as pessoas, desconsiderando suas singularidades e as oportunidades de explorar suas diferenças a favor da empresa.

A pandemia e suas consequências no universo dos negócios mostraram a necessidade de adotar uma maior flexibilidade para avaliar habilidades, novos talentos, repensar e aprender a se desapegar de valores que já estão ultrapassados.

A empresa precisa enxergar cada colaborador como parte de uma grande engrenagem. Desde o estagiário ao presidente, cada um tem a sua importância. Se não houver envolvimento, irá comprometer toda essa engrenagem.

Quando se cria o hábito de envolver a equipe em decisões estratégicas, a cumplicidade passa a ser um processo natural, fazendo com que os colaboradores se sintam parte de cada resultado.

Vale lembrar que o sucesso de uma empresa, especialmente em crises como a atual, não é mérito de uma única pessoa, mas da junção de várias competências que estejam no mesmo nível de comprometimento com o negócio.

*Marcia Dolores Resende é psicóloga, especialista em Gestão de Recursos Humanos pela Universidade de São Paulo (USP), em Marketing Estratégico pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), pós-graduada em Criatividade e Inovação pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP) e conselheira em Desenvolvimento Humano e Estudos da Família no Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here