Protagonismo financeiro feminino impulsiona surgimento de fintechs de impacto social

0
93
As mulheres estão mais informadas, mas ainda é preciso ampliar ainda mais a transparência nas concessões de crédito, afirma Prado | Foto: divulgação

*Por Guilherme de Almeida Prado

A noção de que o mundo das finanças desperta exclusivamente o interesse dos homens não poderia estar mais distante da realidade brasileira. Uma pesquisa da Konkero, maior portal comparador de produtos financeiros e finanças pessoais do país, revelou que as mulheres são maioria entre os internautas que buscam informações sobre finanças para a casa. De acordo com o levantamento, elas representam mais de 58% do total de quase 15 milhões de usuários do portal, que representam 13% dos internautas do país. A comparação entre os acessos femininos no portal – consolidado de 2018 em relação a 2017 – mostra um crescimento de 3,4%; em contrapartida, os homens tiveram uma queda de 4,4% nos acessos.

Comparando o mês de janeiro de 2019 com 2018, o crescimento da presença feminina na busca por informações é ainda maior: 5,4%, o que indica uma tendência de mais crescimento da presença feminina em 2019 Ao longo do ano passado, o portal recebeu 8,45 milhões de acessos femininos e, no primeiro mês de 2019, foram registradas 932 mil usuárias. Exatamente! Quase um milhão de brasileiras, pesquisando sobre negociação de dívidas; redução de gastos; ganhar dinheiro; e reorganização de gastos.

Como coordenador desse levantamento, posso afirmar que os dados não me surpreenderam. Há décadas, as mulheres estão tomando a frente das finanças para dar melhores condições de vida para as próprias famílias. Elas são ainda mais representativas quando o assunto versa sobre finanças pessoais; são, de fato, as grandes influenciadoras e líderes das decisões financeiras familiares. Mesmo com uma agenda corrida – a maioria das vezes, de dupla jornada –, a mulher arruma tempo para pesquisar sobre finanças; elas estão usando o celular no transporte público, por exemplo, para conseguir resolver os problemas financeiros da família; o tablet concentra 62% dos acessos femininos e o desktop 51%.

Mesmo com esse cenário de protagonismo crescente, o setor bancário não acolhe a diversidade de gênero. Dirigido essencialmente por homens, produz campanhas e produtos pensados para um público masculino. Essa visão precisa mudar e rápido. De acordo com relatório do Fundo Monetário Internacional, as mulheres são sub-representadas em todos os níveis do sistema financeiro mundial – de depositantes e mutuários à membros de conselhos de administração de bancos e órgãos reguladores. Ou seja, essa falta de representatividade gera um total descompasso entre os produtos financeiros oferecidos e o que realmente as mulheres precisam. O relatório do FMI aponta que se houvesse a redução da disparidade de gênero fomentaríamos a estabilidade do sistema bancário e estimularíamos o crescimento econômico. Para se ter uma ideia, dados de 2018 mostram que as mulheres representam, em média, apenas 40% dos depositantes e mutuários dos bancos – no Brasil, o número era de 51%.

As análises têm tornado evidente que o maior acesso e uso dos serviços financeiros pelas mulheres gera benefícios sociais e econômicos para os países. No Quênia – aponta o relatório do FMI – as mulheres que abriram uma conta bancária simples investiram mais nos próprios negócios; no Nepal, as famílias chefiadas por mulheres gastaram mais em educação após abrir uma conta poupança. Na prática, sistemas financeiros mais inclusivos podem ampliar a eficácia de políticas fiscais e monetárias, elevando o crescimento econômico das nações. Na essência, investir na inclusão financeira feminina impacta em toda a sociedade.

Na minha análise, as fintechs de impacto social – em especial, as focadas na concessão de crédito pessoal – têm grande potencial para atender adequadamente o público feminino. Análise conduzida pela Artemisia aponta que essas startups de serviços financeiros voltados para a população de menor renda se encontram no momento ideal para resolver os gargalos do sistema financeiro tradicional por uma confluência de dois fatores: são empresas que estão no centro do debate sobre a evolução da relação entre população e finanças; e a evolução tecnológica propicia soluções digitais para temas simples e complexos como os blockchains.

Ao mesmo tempo que considero o potencial, defendo a responsabilidade em conceder crédito. As mulheres estão mais informadas, mas ainda é preciso ampliar ainda mais a transparência nas concessões de crédito. Mais informações para que elas tomem melhores decisões financeiras. Isso impacta as famílias e a economia do país.

*Guilherme de Almeida Prado é empreendedor de negócios de impacto social, com mais de 15 anos de experiência empreendedora. Fundou a Konkero, KeroGrana e a Central da Catarata. O especialista em finanças pessoais é graduado e mestre em Administração de empresas pela EAESP-FGV.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here