“Novembro Azul” e a importância do diagnóstico precoce do câncer de próstata

*Por Marco Lipay

O câncer de próstata é a neoplasia sólida mais comum e a segunda maior causa de óbito (oncológico) no sexo masculino. É o câncer mais incidente nos homens (excetuando-se o câncer de pele não melanoma) em todas as regiões do Brasil. Atualmente, é feito um diagnóstico de câncer de próstata a cada 7 minutos e registra-se um óbito pela doença a cada 40 minutos. Trabalhos científicos mostram que 25% dos portadores de câncer de próstata morrem devido a doença e 20% dos pacientes são diagnosticados em estágios avançados.

Quando os sintomas começam a aparecer, 95% dos casos já estão em fase adiantada. Não é possível evitar a doença, mas é possível diagnosticá-la precocemente e, desse modo, as chances de cura são superiores a 90%. Os números apresentados justificam a necessidade de um acompanhamento com o Urologista a partir da quarta década de vida.

Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se que haverá mais de 65.840 novos casos no Brasil, enquanto nos Estados Unidos, segundo a Sociedade Americana do Câncer, a estimativa é de 191.930 novos casos e 33.330 óbitos este ano.

É considerado um câncer da terceira idade, isto é, em três quartos dos casos no mundo, manifesta-se a partir dos 65 anos. O aumento da incidência no Brasil pode ser justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação e também e pelo aumento na expectativa de vida.

O INCA e a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) destacam a alta incidência do câncer de próstata e, assim, ressaltam a importância da consulta médica, que tem como objetivo o diagnóstico precoce. Lembramos que, nos estágios iniciais, a doença não manifesta qualquer sinal ou sintoma, justificando assim uma visita ao consultório do Urologista, que fará um histórico clínico detalhado somado ao toque prostático e solicitação de outros exames necessários, como o PSA (antígeno prostático específico), que podem sugerir a suspeita de um câncer. A confirmação do diagnóstico faz-se por uma biópsia de próstata.

Os fatores de risco para câncer de próstata são: idade, raça negra, obesidade, hábitos alimentares ricos em gorduras, sedentarismo e fator familiar (quando se tem um parente de primeiro grau com câncer de próstata, a probabilidade é até duas vezes maior; e para aqueles que tem dois parentes de primeiro grau, essa probabilidade é até seis vezes maior).

A SBU recomenda que homens com mais de 50 anos procurem um urologista, para uma avaliação individualizada. Homens da raça negra ou com parentes de primeiro grau com câncer de próstata devem começar aos 45 anos. O rastreamento será realizado após ampla discussão de riscos e potenciais benefícios, em uma decisão compartilhada com o paciente.
Segundo a SBU, muitos homens têm “medo” do diagnóstico de câncer, mas os urologistas enfatizam que a medicina tem evoluído para proporcionar aos pacientes tratamentos menos invasivos e cada vez mais eficazes.

Novidades em exames de imagem são incorporadas ao cotidiano, como a ressonância magnética multiparamétrica, que torna mais precisas as indicações de biópsias, evitando procedimentos desnecessários ou o PET CT com PSMA que pode rastrear doenças metastáticas de pequeno volume em locais incomuns.

Desse modo, os tratamentos tornam-se individualizados a partir da coleta de dados sobre o tumor, como por exemplo: seu volume; sua extensão e grau de agressividade e exames de imagem. Além de considerar, também, a idade e perspectiva de vida do paciente, doenças associadas, valor do PSA e Toque Retal, no momento do diagnóstico. Desse modo, evitam-se tratamentos agressivos e desnecessários para doenças de baixo risco de progressão.

Todos os homens devem ser esclarecidos sobre o câncer da próstata e suas implicações. Jamais podemos deixar de diagnosticá-lo em homens saudáveis e, assim, discutir a melhor opção terapêutica. Deixar o câncer se manifestar espontaneamente é um grande risco e causa sofrimento para o paciente e sua família, considerando a evolução e potencial agressividade desse tumor.

*Marco Aurélio Lipay é doutor em Cirurgia (Urologia) pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), titular em Urologia pela Sociedade Brasileira de Urologia, membro correspondente da Associação Americana e Latino Americano de Urologia e autor do livro “Genética Oncológica Aplicada à Urologia”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here