Sistema de consórcios estima crescimento de 12% para novos participantes em 2020

Durante 2019, o sistema de consórcios apresentou resultados positivos, inclusive com recorde histórico de 2,87 milhões de adesões, mesmo com as oscilações político-econômicas vivenciadas no primeiro ano do novo governo e com o saldo advindo de reaquecimento pós-crise.

Para 2020, as expectativas são otimistas e de continuidade de crescimento. Estudos realizados pela assessoria econômica da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC) estimam aumento de vendas de novas cotas, variando de 7% a 12%.

Ao considerar principalmente a constante redução das taxas de juros, promovida a partir dos cortes feitos pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central, inflação abaixo da meta, bem como as reformas da previdência, já aprovada, e o encaminhamento da tributária e da administrativa, “permitimo-nos avaliar um cenário melhor para o mercado consumidor, já considerando a paulatina recuperação dos empregos e o incremento de novos empreendedores”, explica Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da entidade.

Os ajustes periódicos realizados na taxa básica de juros, por exemplo, provocam duas reações no mercado consumidor. A primeira é o desestímulo dos investidores em aplicações financeiras com baixa rentabilidade. Como consequência, a segunda está nas pessoas que ficam mais propensas a comprar no presente, abdicando do objetivo de poupar para utilizar no futuro. Com o aquecimento do consumo, as empresas deverão produzir mais, trazendo crescimento econômico.

Rossi sintetiza que “o brasileiro, ao observar pouca possibilidade de rendimentos, opta por consumir. Já para aquele que gere suas finanças pessoais com planejamento, tem no consórcio a oportunidade de concretizar seus objetivos de forma simples, econômica e consciente, sem se deixar levar pela impulsividade”.

O bom resultado alcançado no ano passado, 10,4% acima das adesões de 2018, sinalizam a probabilidade de aceleração em 2020, nos segmentos onde a modalidade está presente. Ao acompanhar as projeções da Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores e da Fenabrave – Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de aproximadamente 9% a 10% na produção e na comercialização de veículos, a presença dos consórcios, incluindo novos e seminovos, poderá alcançar marcas significativas ao longo deste ano.

No maior segmento do Sistema, os automotores, que representam mais de 80% dos atuais participantes ativos, a expectativa é de um aumento entre 7% e 15% na comercialização de novas cotas, de acordo com as características de cada mercado. “Não é fácil fazer projeções, especialmente quando vivenciamos constantes influências internas e externas. Acreditamos em avanços entre 7% e 10%, para veículos leves, em até 20% para veículos pesados, incluindo máquinas e implementos agrícolas para o agronegócio, e de 4% a 7% para motocicletas.”, avalia Rossi.

Para os consórcios de imóveis, a performance esperada pelo mecanismo deve acompanhar, em paralelo, a evolução do setor imobiliário no país. Recente estudo feito pela Fundação Getúlio Vargas, encomendado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), indicou, com dados do IBGE, que de 2015 a 2025 o país vai precisar de 14,5 milhões de novas moradias. “Entendemos que, com essa necessidade e o aquecimento já observado, o consórcio pode ser a alternativa para muitos, inclusive contribuindo para minimizar o déficit habitacional, podendo atingir de 10% a 14% de alta”, pondera o presidente executivo da ABAC.

Os setores de Serviços e de Eletroeletrônicos e Outros Bens Móveis Duráveis, que anotaram fortes avanços em 2019, deverão seguir no mesmo ritmo de negócios proporcionando mais opções de uso para o primeiro e mais qualidade de vida no segundo. A perspectiva para ambos poderá superar 20%.

A mudança de comportamento do brasileiro, hoje mais maduro em suas decisões financeiras, está apoiada na sua busca permanente de informações sobre o que pode ser melhor financeiramente com vistas às conquistas pessoais, profissionais ou familiares, valorizando ainda os possíveis investimentos. As peculiaridades do consórcio se ajustam a perfis de quem, com responsabilidade, não quer comprar por impulso e só assume compromissos para os quais é capaz de cumpri-los dentro do orçamento.

“Alinhados a Agenda BC# do Banco Central, a ABAC e as administradoras associadas seguirão 2020 divulgando as características e os diferenciais do consórcio com vistas a maior conscientização sobre educação financeira, gestão das finanças pessoais, facilitando a tomada de decisão dos futuros participantes”, complementa Rossi.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here