Veículos elétricos crescem mais de 65% no Brasil

Emplacamentos de VEs atingem 1% do mercado total de automóveis e comerciais leves | Foto: reprodução

As vendas de veículos eletrificados (VEs) no Brasil bateram novo recorde em 2020, com aumento de 66,5% nos emplacamentos em relação a 2019. O mercado saltou de 11.858 unidades, em 2019, para 19.745 em 2020. Só em dezembro foram 1.949 veículos vendidos. Foi o melhor ano da série histórica da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), iniciada em 2012.

Pela primeira vez também o mercado de eletrificados chegou a 1% do mercado total de veículos no Brasil. Os números referem-se à soma de automóveis e comerciais leves elétricos híbridos não plug-in e plug-in (HEV ou PHEV) e elétricos a bateria (BEV).

Com esse resultado, a frota total de automóveis elétricos ou híbridos em circulação no País já chega a 42.269 unidades.

Contraste
O crescimento de 2020 confirmou a tendência de o mercado de eletrificados evoluir na contramão do conjunto do setor automotivo no Brasil.

Segundo a Federação Nacional dos Distribuidores de Veículos Automotores (Fenabrave), o total de emplacamentos de automóveis comerciais leves caiu 26.6% em 2020, na comparação com 2019 (1.950.889 contra 2.658.692).

O presidente da ABVE, Adalberto Maluf, comenta os dados. “Mais uma vez, os eletrificados mostraram seu potencial, em nítido contraste com a evolução de todo o mercado. Nestes tempos de Covid, o consumidor brasileiro fez uma aposta clara nos veículos não poluentes e sustentáveis. Optou por proteger a sua saúde e a saúde da sociedade”, afirma.

Crescimento
Os números apontam para uma acentuada curva de crescimento dos veículos elétricos e híbridos no Brasil, nos últimos anos.

As 19.745 unidades vendidas, em 2020, representam crescimento de 66,5% sobre 2019 (11.858), de 397% sobre 2018 (3.970), 499% sobre 2017 (3.296) e 1.709% sobre 2016 (1.091).

Os eletrificados de 2020 (19.745) chegaram a 1% do total de automóveis e comerciais leves emplacados no período (1.950.889, segundo a Fenabrave).

Para o diretor de Veículos Leves da ABVE e diretor de relações institucionais e sustentabilidade da Audi do Brasil, Antonio Calcagnotto: “Temos de interpretar esses números de duas formas. Por um lado, devemos comemorar o fato de os elétricos terem chegado a 1% do mercado; é uma marca importante, mas é claro que ainda estamos muito distantes de uma participação expressiva no mercado total. Portanto, temos de insistir em medidas de apoio à mobilidade elétrica”, avalia.

A ABVE defende, por exemplo, a equiparação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos eletrificados à alíquota da maioria dos veículos comuns.

O vice-presidente de Veículos Leves da ABVE e diretor de relações governamentais da Nissan do Brasil, Pedro Bentancourt, questiona “por que um carro flex 1.0 a combustão paga 7% de IPI e um veículo elétrico ou híbrido, que é muito mais eficiente e não poluente, tem de pagar 13%, 18% ou até mais?”.

“O ideal seria zerar o IPI dos veículos elétricos e híbridos, no mínimo, nossos produtos deveriam pagar a mesma alíquota básica já paga pela maioria do mercado. Não é só uma questão de eficiência energética, é também de saúde pública”.

Eletropostos
A ABVE defende ainda a redução de Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA), programas de instalação de eletropostos nas estradas e incentivos à eletrificação das frotas públicas e de prestadores de serviços de compartilhamento.

A ampliação do número de eletropostos nas estradas é uma das prioridades da ABVE em 2021. Hoje, o Brasil tem em torno de 350 pontos de recarga em rodovias e locais públicos, como shoppings e postos de combustível, segundo o aplicativo da Tupinambá Energia, startup focada em infraestrutura para veículos eletrificados.

Em novembro, a associação também preparou a Carta da ABVE pela Eletromobilidade, que propõe um conjunto de medidas de apoio ao transporte sustentável nas cidades. A carta foi enviada aos principais candidatos a prefeito de 14 capitais brasileiras, antes das últimas eleições.

Entre os que apoiaram o documento estão os prefeitos reeleitos de São Paulo, Bruno Covas, e de Curitiba, Rafael Greca, e o senador Jean Paul Prates, ex-candidato a prefeito de Natal (RN).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here