Especialistas revelam profissões em destaque para 2017

0
71

Por Vitor Lima

A recessão econômica que começou a castigar o Brasil em 2015 continuou a fazer estragos no País no ano passado. A expectativa de muitos de que a situação econômica fosse melhorar, após o impeachment de Dilma Rousseff, não se confirmou e o governo de Michel Temer ainda não conseguiu recolocar o Brasil nos rumos do crescimento. 
Reflexo deste cenário, o índice de desemprego continua a crescer e atinge 11,8% da população brasileira, de acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados em dezembro passado que englobam o trimestre de setembro a novembro. A taxa representa 12 milhões de brasileiros e é a maior desde o início da série, em 2012. Na comparação com o mesmo trimestre de 2015, houve um avanço de 2,9% no número de desempregados. 

Juliana destaca Tecnologia da Informação, Marketing e Saúde como áreas promissoras | Foto: Divulgação
Tais dados dão ainda mais importância para a escolha da carreira correta, que deve aliar gostos pessoais com áreas promissoras profissionalmente. As empresas buscam otimizar as operações e tornam-se cada vez mais seletivas, o que resulta em um mercado de trabalho ainda mais concorrido. 
De acordo com a sócia fundadora da RDA Consultoria Humana, Fabíola Oliveira, atualmente as corporações estão atentas à questão comportamental dos candidatos às vagas. “As empresas querem saber se a pessoa a ser contratada de fato ‘fará as coisas acontecerem’. Perfis de pessoas resilientes, automotivadas, proativas e dinâmicas são os mais procurados”, revela. 
A especialista ressalta que é “fundamental demonstrar no currículo e na entrevista de emprego sua capacidade de gerar resultados nos locais onde trabalhou”. Para aqueles que estão desempregados ela recomenda que busquem se atualizar e aproveitar os conteúdos gratuitos disponíveis na internet.
Para os jovens, a missão de buscar uma colocação no mercado de trabalho, como sempre, continua mais difícil. Dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgados em 19 de dezembro revelam que entre os jovens de 14 e 24 anos, 27,7% estão desempregados. 
Para Fabíola, pessoas resilientes, automotivadas, proativas e dinâmicas são as mais procuradas pelas empresas | Foto: Paulo Simões
Especialmente para esta parcela da população, Fabíola enfatiza o alerta para ter prudência com o uso das redes sociais. “Tenho visto cada dia mais empresas que reprovam candidatos em um processo seletivo por desaprovarem suas posturas em redes como o Facebook, por exemplo”. Ela recomenda também que nas entrevistas de emprego a verdade sempre deve ser dita além, obviamente, de aconselhar a constante busca por melhora na qualificação. 
Com a ajuda de Fabíola e da gerente de Recrutamento e Seleção da Luandre Consultoria de RH, Juliana Constantino, o Negócios em Movimento selecionou carreiras que estão em alta e que prometem se destacar no mercado de trabalho em 2017. 
Tecnologia da Informação (TI): a área está em destaque e pode ser aplicada tanto para o comercio, indústria, segurança digital, quanto para desenvolvimento de aplicativos e games, por exemplo. Juliana explica que por ser uma área que exige bastante qualificação e especialização, algumas vagas demoram a ser preenchidas e, muitas vezes, possuem salários atrativos. A sócia fundadora da RDA acrescenta que especialistas em desenvolvimento de plataformas para mobile são muito requisitados. 
Marketing: “As empresas estão buscando muitos profissionais da área de Marketing Digital, para fazer a gestão de redes sociais. Os designers também são necessários para transformar a estratégia da empresa em uma comunicação assertiva para o público”, afirma Fabíola. O setor está em evidência e é fundamental para as empresas que buscam alavancar as vendas.
Área comercial: em tempos de recessão, os empresários, além de buscar reduzir os custos da operação, se esforçam para aumentar o faturamento. Assim, profissionais da área Comercial encontram seu espaço. “Vendedores de alta performance estão sendo fortemente procurados”, revela Fabíola. 

Planejamento e finanças: novamente por conta do cenário de recessão, profissionais com especialização em planejamento estratégico e finanças, como economistas ou analistas de mercado/tendências estão em destaque pela necessidade de as empresas se reinventarem ou buscarem soluções para sair da crise.

Recursos Humanos (RH): os profissionais desta área são importantes para “manter as pessoas engajadas mesmo na crise”, lembra a representante da RDA. Portanto, analistas e especialistas em Desenvolvimento Organizacional registram boas perspectivas para 2017. 
Saúde: por se tratar de um segmento primordial e que exige muita qualificação, deve continuar promissor, principalmente para técnicos. Neste segmento, um nicho que começa a despontar é o atendimento ou desenvolvimento de produtos para idosos, uma vez que a perspectiva de vida registra aumentos consecutivos e a população desta faixa etária torna-se cada vez mais ativa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here