Mercado imobiliário reage no ABC

0
240
Apartamentos compactos, de até 70 metros quadrados, são tendência

Da Redação

Mesmo que diversos setores ainda sofram com o mau momento econômico, o mercado imobiliário do ABC ensaia uma recuperação. Existe a expectativa de que, no segundo semestre, surjam bons resultados em vendas e lançamentos.

Em Santo André, por exemplo, um dos motivos que contribui para a melhora deste mercado é a consolidação da tendência de busca de por imóveis compactos.  De acordo com dados da pesquisa Viva Real, o município teve o maior número de lançamentos de imóveis neste padrão, comparado com São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul.

Foram cerca de 80 empreendimentos e 5 mil unidades lançadas na cidade – destes, aproximadamente 80% contam com medidas inferiores a 70 metros quadrados e dispõem de um ou dois dormitórios.

Atenta a este movimento, a incorporadora Braido Ceceli é uma daquelas que apostou nos imóveis menores. O diretor executivo da empresa, Amauri Ceceli, comenta: “Nós observamos bastante o mercado, tanto em tempo de crise, quanto o comportamento do consumidor e avaliamos que faltava esse tipo de apartamento aqui, então decidimos levar esse projeto à diante, com alguns diferenciais para o nosso público”.

Um dos projetos bem-sucedidos foi o Touch Studio. Em menos de dois meses, o empreendimento registrou cerca de 80% das unidades vendidas. Uma das razões do sucesso do lançamento, além do formato studio (com metragens menores e cômodos integrados), é o fato dele também contar com o conceito de ambientes e objetos compartilhados.

“Esse conceito e as tecnologias que oferecemos também é um atrativo para quem deseja comprar um imóvel em Santo André, entre outros exemplos como lavanderia de uso comum, bicicletas, ferramentas, além de horta, fechaduras com biometrias e outras facilidades”, explica Ceceli.

Qualidade de vida é atrativo

Na vizinha São Caetano do Sul, não são apenas os diferenciais dos empreendimentos que atraem o público. A qualidade de vida oferecida pelo município é um fator preponderante para chamar a atenção de compradores. A cidade conta com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do País, um Produto Interno Bruto (PIB) per capito de R$ 102,7 mil (a média nacional é de R$ 30,4 mil) e instituições de ensino públicas reconhecidas.

Dados do VivaReal constatam que fatores como estes fazem com que o município registre o preço médio do metro quadrado mais caro do ABC: em outubro, o valor era de R$ 5.769; em Santo André, o preço apurado foi de R$ 4.762 e em São Bernardo do Campo, de R$ 4.571.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here