Pronampe poderá ser ampliado, mas análise de crédito ainda precisa ser repensada para chegar na ponta

Foto: Fernando Frazão/AgBr

O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) poderá receber mais R$ 12 bilhões após a aprovação da Medida Provisória 944 pela Câmara de Deputados nesta quarta-feira (29). A MP criou o Programa Emergencial de Proteção ao Emprego (Pese) e também permitiu que parte do recurso destinado ao programa fosse transferido para o Pronampe. Contudo, ainda é preciso a sanção presidencial para a transferência do recurso.

Inicialmente, mais de R$ 15 bilhões foram destinados ao programa, mas os recursos se esgotaram rapidamente devido à alta demanda. Mesmo assim, pesquisa feita pelo Datafolha, a pedido do Sindicato de Micro e Pequenas Indústrias do Estado de São Paulo (Simpi), mostrou que muitas micro e pequenas indústrias ainda não conseguiram acessar o crédito.

Apenas 5% das micro e pequenas indústrias conseguiram obter alguma linha de crédito com garantia do Governo. Outras 36% tiveram o acesso negado.

Segundo o presidente do Simpi, Joseph Couri, a ampliação de recursos para o Pronampe é positiva, mas o percentual de micros e pequenas indústrias que não conseguiram ainda é alto. O presidente explica que o desconhecimento sobre a linha de crédito e a burocracia na análise dos pedidos são algumas das razões para a dificuldade dos recursos chegar na ponta. Por isso, é necessário rever esse processo. “Nós estamos insistindo com velhas soluções, para problemas novos. O resultado é destruição do mercado interno, fragilização de empresas e empregos e o risco da retomada”, disse.

Crédito disponível pela maquininha

Nesta quarta-feira (29), o Senado também aprovou outra Medida Provisória (MP) que cria um programa de acesso a crédito para micro e pequenas empresas por meio da maquininha.

Para o presidente do Simpi, a medida não deve alcançar todas as empresas, mas beneficiar apenas aquelas que fazem uso regular da maquininha, com as do setor do comércio. Empresas do setor industrial podem não estar incluídas nesta ação. “É mais uma tentativa, mas estão pensando apenas em um setor”, destaca.

Boletim de Tendências

A cada dez dias, o Datafolha, a pedido do Simpi, realiza o boletim de Tendências das Micro e Pequenas Indústrias do Estado de São Paulo, trazendo um panorama do setor durante a pandemia do coronavírus.

A coleta de dados ocorreu entre os dias 8 a 15 de julho de 2020.

A íntegra do boletim está disponível no site da entidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here