Oito em cada dez brasileiros têm dívidas para pagar

Dívidas com juros mais altos devem ser prioridade, orienta o CEO e fundador do Mobills, Carlos Terceiro | Foto: Freepik

Janeiro já terminou, mas as contas de início de ano ainda estão refletindo no orçamento de muitos brasileiros. Segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), oito em cada dez (85%) pessoas possuem, atualmente, contas ou dívidas para pagar e 22% deles não fizeram qualquer planejamento para quitar esses compromissos nos próximos meses.

No início do ano, outro levantamento das mesmas entidades mostrou que apenas 11% dos consumidores brasileiros têm condições de pagar as despesas sazonais deste período, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) e material escolar, com os próprios rendimentos, sem que seja necessário fazer uma economia ou reserva financeira ao longo do ano.

A “dor de cabeça” de ficar no vermelho pode se arrastar por meses e se transformarem em problemas mais graves se medidas efetivas, como um bom planejamento financeiro, por exemplo, não forem aplicadas. Para ajudar a reverter esse cenário, o CEO e fundador do Mobills, Carlos Terceiro, separou algumas dicas que podem ajudar a quitar as dívidas e a criar uma relação mais saudável com as finanças pessoais.

Liste todas as suas dívidas e tente negociá-las
Enumere tudo que estiver com o pagamento atrasado: contas da casa, cartões de crédito, prestações, cheque especial e carnês. Para cada item da lista, coloque o valor de pagamento mensal, a taxa de juros e o total devido. A renegociação também é essencial para que você possa melhorar a sua vida financeira.

Pague as dívidas com juros mais alto primeiro
Dívidas com juros mais altos devem ser sua prioridade. Afinal, são elas que estão levando você a se endividar cada vez mais, causando o famoso efeito bola de neve. Quanto maior forem os juros, maior será a sua dívida. Por isso, elabore uma lista das suas dívidas e veja as de maior valor para tentar saná-las primeiro.

Analise a possibilidade de pegar um empréstimo
Ainda que recorrer a empréstimos não seja algo agradável, em certas situações pode valer a pena escolher essa alternativa para resolver o problema. As dívidas de cartão de crédito e cheque especial têm os encargos mais caros do mercado. A maioria dos empréstimos oferece juros menores do que os das dívidas. Por isso, é importante avaliar se faz sentido mudar de dívida para pagar menos e, às vezes, até mais rápido.

Evite parcelar
Se você está focado em sair do vermelho, evite as compras parceladas. Elas contribuem para o aumento do seu endividamento. Quando você compra parcelado, tem a falsa impressão de que gastou pouco, porque não viu o dinheiro efetivamente sair do seu bolso.

Anote tudo e planeje seu orçamento
Sem ter noção do quanto você gasta diariamente, fica muito mais difícil saber como sair do vermelho. Por isso, é importante saber exatamente quanto você ganha e quanto gasta por mês. Para isso, é fundamental anotar todos os ganhos e as despesas. Você pode utilizar uma planilha, anotar no papel ou fazer uso de aplicativos como o Mobills. O importante é conseguir se organizar e criar este hábito.

Depois de ter o diagnóstico sobre a situação financeira, é importante limitar o orçamento. As áreas da saúde, moradia, transporte e alimentação são essenciais, então devem ser priorizadas. A partir dessa análise, separe uma quantia fixa para usar em gastos extras. Isso vai ajudá-lo a evitar o consumo de itens desnecessários para o seu cotidiano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here