Neuropsicólogo brasileiro cria startup para “conversar” com os mortos

Foto: Divulgação

A inteligência artificial consiste em um ramo da ciência e da informática que tem como objetivo a criação de máquinas inteligentes. Ela se propõe a desenvolver máquinas que tenham a habilidade de pensar e agir como seres humanos, não necessariamente com um “corpo físico”.

O Legathum não é uma startup de médiuns nem pretende trazer de volta os espíritos dos que já se foram, mas sim preservar as memórias deles em vida. Em parceria com a universidade, um brasileiro vai usar a inteligência artificial para imortalizar memórias.

A promessa de vida eterna não vem em carne e osso, mas nos chips de servidores espalhados pela nuvem. E para ter o backup, a startup reúne todos os dados da digital do cliente, como e-mails, chats, redes sociais e fotos para “recriar” uma pessoa virtualmente.

A ideia surgiu durante a pandemia do novo Coronavírus, quando os brasileiros perderam inesperadamente seus familiares, e o enterro passou a ser virtual. A falta desse último adeus inspirou o neurocientista a criar um aplicativo que aliviasse a dor da perda inesperada de milhares familiares.

Para atenuar o sofrimento da separação, a startup brasileira passou a usar a inteligência artificial com o propósito de eternizar o legado das pessoas, transferindo as memórias, lembranças, personalidade e comportamento para além da nuvem e fazer com que elas durem até pós a morte.

Agora, quem está bem vivo nesse projeto e colocando o Brasil em posição de destaque no setor de inovação e tecnologia é Deibson Silva, neuropsicólogo, formado pela Faculdade de Medicina da USP. Ele estuda o comportamento humano desde 2013 e já tem histórico de trabalhos com um software de análise comportamental utilizado por mais de 700 mil pessoas em quatro continentes. Recentemente ele resolveu usar a expertise para montar o Goowit, um aplicativo gratuito de emprego, capaz de fazer o macth ideal com 98% de assertividade entre o funcionário e a empresa.

E foi nesse período de pandemia que o neuropsicólogo teve esse insight. “Vi o sofrimento das pessoas enterrando o ente querido e resolvi criar algo que ajudasse a guardar o perfil daqueles que tivessem que partir dessa vida”, comenta  Silva ao informar que os efeitos da Covid-19 mostraram o quanto os seres humanos são vulneráveis. “Milhares se foram e levaram com eles lindas histórias e memórias, e que muito provavelmente essas memórias se perderão em até mais duas gerações”, completa.

O projeto

O Legathum, que terá o primeiro protótipo pronto provavelmente já em dezembro de 2020, será um aplicativo que funcionará através do método storytelling, ou seja, a própria pessoa contará a sua história para o sistema do aplicativo.

“Ela vai conversar com o nosso bot, que é o condutor, como um mentor pessoal, que vai guiar essa pessoa na jornada dentro do aplicativo para que a inteligência artificial possa mapear tudo sobre essa pessoa. Esse bot é uma aplicação de software concebido para simular as ações humanas por repetidas vezes de maneira padrão e se chamará Ethernum”, destaca.

“O mais importante é poder eternizar as nossas vivências, fazer com que a nossa família, mesmo depois da nossa partida, tenha a possibilidade de acessar esses dados, de maneira privada o filme da nossa vida”, aponta. “As pessoas importantes, as que fizeram grandes coisas, elas têm biografia e, com isso, nós queremos democratizá-la. Porque todo mundo tem uma linda história para ser eternizada”, conclui Silva.

Para a iniciativa, ele juntou-se com o especialista em Inteligência Artificial e chefe do departamento de ciência e tecnologia da Universidade de Berkeley, Alberto Todeschini, na Califórnia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here