Prefeitura de SP busca soluções de startups para combater os efeitos negativos do coronavírus na economia

Programa destinará R$ 1 milhão para projetos que combatam aos efeitos econômicos da crise

Arte: Arquivo

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, lançou ontem (2) uma iniciativa para apoiar startups que estão produzindo soluções tecnológicas imediatamente aplicáveis no combate aos efeitos econômicos do coronavírus.

Serão selecionados 10 projetos de empresas da capital paulista e cada um receberá o valor de R$ 100 mil, além de um processo de mentoria de dois meses. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas entre 2 e 11 de abril pelo site www.adesampa.com.br/solucoescorona. Entre 12 e 18 de abril uma banca avaliará os projetos e selecionará as startups que iniciarão a aceleração em 28 de abril.

“O prefeito Bruno Covas nos pediu para acionar o setor produtivo para apresentar soluções que apoiem a Secretaria no combate aos efeitos da pandemia sobre os negócios e a economia. Podem participar as startups paulistanas que utilizem tecnologias inovadoras e que as soluções ajudem a administração municipal a enfrentar as consequências humanas e econômicas do coronavírus”, declara a secretária de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, Aline Cardoso. “Acreditamos na capacidade do empreendedor paulistano em desenvolver soluções em momentos de crise. Projetos da capital podem ajudar São Paulo, mas também o Brasil e servir de exemplo para o mundo”, completa.

A iniciativa, que será realizada pela Ade Sampa, agência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Trabalho, dará suporte à rápida implementação de soluções e na estruturação de um modelo de negócio que reduza os impactos econômicos da crise, garantindo a preservação de empregos no município e a geração de renda da população.

A expectativa é atrair soluções que ajudem no enfrentamos da crise, mas também na fase pós-pandemia tendo em vista que os impactos da desaceleração econômica deverão ser sentidos nos próximos meses. Projetos inovadores que ajudem na gestão econômica e financeira de empresas são algumas das soluções que poderão ser propostas.

Para participar a startup precisa estar em estágio intermediário ou avançado no seu processo produtivo, com mínimo produto viável definido e testado junto ao público alvo e mercado, apresentando resultados que justifiquem o apoio aos negócios e à participação a um ciclo de mentorias para, de fato, apoiar a sociedade na luta contra os efeitos da covid-19.

“Com o aumento dos casos de contaminação do coronavírus previstos para abril, a estimativa é que, mesmo com a aceleração das startups em curso, as soluções propostas poderão ser implantadas durante a pandemia ou quando ela estiver acabando como forma de agilizar a retomada da economia”, explica o presidente da Ade Sampa, Frederico Celentano.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here