Câncer de mama é o mais comum entre mulheres

Campanha Outubro Rosa busca conscientizar populações sobre a doença | Foto: Freepik

Entre 2020 e 2022, estima-se que o Brasil terá 66.280 novos casos de câncer de mama para cada ano. Esse número corresponde a um risco estimado de mais de 61 novos casos a cada 100 mil mulheres. Os dados fazem parte do estudo “Estimativa 2020 – Incidência do Câncer no Brasil”, do Instituto Nacional de Câncer (INCA) do Ministério da Saúde, e mostram a importância da conscientização da campanha Outubro Rosa que fala da prevenção e controle dos cânceres de mama e do colo de útero.

O câncer de mama é identificado pela proliferação anormal das células do tecido mamário, de forma rápida e desordenada, se desenvolvendo em decorrência de alterações genéticas. Mas isso não significa que os tumores de mama são sempre hereditários. Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, o câncer de mama hereditário corresponde, em média, de 5% a 10% dos casos, ou seja, quando existem parentes de primeiro grau com a doença. Portanto, os 90% restantes não se encaixam nesse perfil.

Os principais sintomas da doença são: aparecimento de nódulo, geralmente indolor, duro e irregular; alguns casos são de consistência branda, globosos e bem definidos. A doença pode também acarretar edema cutâneo na pele, retração cutânea, dor, inversão do mamilo, hiperemia e outros. De acordo com o INCA, a doença também pode afetar os homens, mas é raro – representando apenas 1% do total de casos.

Cuidar da saúde é o primeiro ato de prevenção, afinal os fatores de risco de desenvolvimento da doença estão relacionados com obesidade, sedentarismo, má alimentação e consumo de bebidas alcoólicas.

De acordo com o encarregado do Serviço Médico do Instituto Presbiteriano Mackenzie (IPM), Aldemir Rizzo: “Segundo dados do INCA, cerca de 30% dos casos de câncer de mama podem ser evitados, se a pessoa passar a ter hábitos melhores, como manter uma atividade física regular e ter uma alimentação saudável”, destaca.

Dados do Ministério da Saúde afirmam que com essa mudança de hábitos na alimentação, nutrição e atividade física é possível reduzir em até 28% o risco de a mulher desenvolver câncer de mama. Outro fator que pode ajudar a evitar a doença é a amamentação. “Não ter amamentado não é fator de risco para a aparição da doença. A prática do aleitamento materno, o máximo de tempo, é um fator de proteção para o câncer”, explica o médico.

Já a oncologista Sara Scremin – do Hospital Dr. e Sra Goldsby King | Mackenzie, em Dourados (MS) – destaca entre os fatores de risco, os que podem ser modificados, como o tabagismo, nuliparidade (não ter filhos) e o uso de contraceptivo e reposição hormonal.

O empoderamento feminino tem desencadeado uma mudança no cenário atual em que se percebe uma união das mulheres na “tentativa de equidade, reforço do amor próprio e do fortalecimento coletivo. Isso repercute no crescimento das mulheres no cenário político e social, mas também numa autovalorização”, pontua a especialista, que comenta ainda que quando falamos em prevenção, a autovalorização entra de uma forma muito forte, uma vez que a prevenção é um ato de amor e cuidado.

“Esse cuidado vem da motivação, idealmente intrínseca, mas que pode ser despertada por um estímulo coletivo. Podemos motivar e ser motivados. Informar e ser informados. Cuidar e ser cuidado. Se autoconhecer e poder cuidar”, completa a oncologista.

O diagnóstico precoce é essencial, pois aumenta as chances de um tratamento efetivo e da cura. Por isso é importante cada mulher conhecer o seu corpo, analisar elevação, tamanho ou aparição de manchas. Segundo o INCA, a maior parte dos cânceres de mama são descobertos pelas próprias mulheres.

“Há evidência que mulheres diagnosticadas com câncer de mama em estágios iniciais I/II, têm taxa de sobrevida em 5 anos que varia entre 80% e 99%; enquanto em mulheres em estágios mais avançados, que desenvolveram metástase a distância, a taxa de sobrevida em 5 anos cai para menos de 30%”, pontua Sara.

Com isso, o grande diferencial nessa expectativa de cura é o diagnóstico inicial de achados suspeitos, que pode ser feito por meio de exames radiológicos, como mamografia e USG, mas também por meio da detecção de nódulos pelo autoexame.

O Ministério da Saúde recomenda que mulheres de 50 a 60 anos façam uma mamografia de rastreamento a cada dois anos, pelo menos. Já a Sociedade Brasileira de Mastologia recomenda a mamografia anual para mulheres, a partir dos 40 anos de idade, visando o diagnóstico precoce.

“O que a maioria das mulheres não sabe é que esses exames, bem como o tratamento que envolve a doença, é coberto pelas operadoras de saúde e pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Por isso, essa é a maior contribuição do conhecimento adquirido pelo compartilhamento de informações: propiciar condições para o diagnóstico precoce e salvar vidas”, explica a oncologista.

Começou em 1º de outubro a campanha Outubro Rosa, criada pela Fundação Susan G. Komen for the Cure, no início da década de 1990, que tem como principal objetivo conscientizar a população da necessidade de prevenção do câncer de mama e do câncer de colo de útero. Alertar e pontuar a importância do diagnóstico precoce e proporcionar acesso aos serviços de diagnóstico e tratamento é uma maneira de contribuir para a redução da mortalidade.

O câncer de colo de útero, segundo o INCA, é o terceiro tumor maligno mais frequente na população feminina (atrás do câncer de mama e do colorretal), e é a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

“Da mesma forma que o câncer de mama, há meios para o diagnóstico precoce, bem como para detecção de lesões precursoras, essas últimas, se tratadas corretamente, levarão o paciente à cura”, explica a oncologista.

O diagnóstico é feito através da coleta da colpocitologia oncótica, o papanicolau. “Outro ponto de relevância é a disponibilidade na rede pública e privada da vacina do HPV, que é, sem sombra de dúvidas, uma estratégia realmente eficaz na prevenção dessa enfermidade”, finaliza Sara.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here