“Dia do Não Fumar” alerta para o combate ao tabagismo

Mudanças de hábitos são essenciais para abandonar o tabagismo, alerta o farmacêutico Ismael de Oliveira, responsável pelo “Programa de Cessação ao Tabaco” da UBS Vera Cruz | Foto: reprodução

Celebrado em 16 de novembro, o Dia do Não Fumar alerta para a importância de combater o tabagismo, responsável por cerca de 200 mil mortes por ano no Brasil, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Além do câncer no pulmão e na boca, deterioramento dentário e problemas respiratórios, o uso de cigarro pode causar úlceras, osteoporose, pressão alta, aneurismas cerebrais e trombose, por exemplo. Para evitar o desenvolvimento destas e outras doenças associadas ao consumo do tabaco, Unidades Básicas de Saúde possuem grupos de tabagismo, que auxiliam a população no processo de abandono do vício pelo fumo, a partir de dinâmicas em grupo e uso de medicamentos.

De acordo com o farmacêutico Ismael de Oliveira, responsável pelo Programa de Cessação ao Tabaco da Unidade Básica de Saúde (UBS) Vera Cruz, gerenciada pelo Centro de Estudos e Pesquisas “Dr. João Amorim” (Cejam), atividades físicas e mudanças na rotina ajudam os fumantes. “É importante adquirir novos hábitos que substituam os que são associados ao cigarro. Se uma pessoa fuma enquanto dirige, seria adequado não levar o cigarro para o carro. Aos que fumam após tomar um café, substitua-o por um suco”, recomenda o profissional.

Embora algumas pessoas recorram ao cigarro light ou eletrônico e vaper para reduzir o nível de dependência, o especialista pondera que este tipo de saída não é o mais apropriado. “O cigarro eletrônico também contém nicotina e é tão nocivo para a saúde quanto o cigarro normal. O que os distingue é apenas a ausência de alcatrão e monóxido de carbono no cigarro eletrônico. Eles não saciam a vontade de fumar e não são eficazes”, pondera.

Para o farmacêutico, o melhor caminho é a conscientização sobre o impacto negativo que este hábito causa para a saúde e para as finanças das pessoas, além do estabelecimento de metas para parar de fumar, uso de remédios de apoio conforme o nível de dependência e apoio psicológico.

Entre fevereiro de 2019 e outubro de 2020, 57 pessoas participaram do programa de tabagismo na UBS Vera Cruz, em São Paulo. Destes, 31% pararam de fumar. Por conta da pandemia, em agosto a unidade iniciou o Grupo Virtual de Tabagismo, que oferece encontros online com profissionais da unidade para pessoas que desejam abandonar o vício em cigarro.

Nas sessões são apresentados conteúdos e atividades de incentivo, como a determinação de uma data para o participante parar de fumar. “O fator econômico também influencia no abandono do vício. Colocar em um papel uma média anual de gastos com o cigarro é uma das atividades do programa que mais choca os participantes”, conta Oliveira.

Durante a sessão inicial é realizado o teste que avalia o nível de dependência do participante e se será necessário o uso de medicamentos. Em seguida, os encontros promovem interações para que as pessoas entendam o motivo do vício e os efeitos causados na saúde psicológica e física, além de observar o desempenho dos participantes e monitorar o uso dos medicamentos. Aos pacientes que têm recaídas após a finalização de todas as sessões é possível frequentar encontros de manutenção mensalmente.

Fumantes interessados em deixar o vício devem procurar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e informar-se sobre a disponibilidade dos grupos. Veja aqui a relação de unidades sob gestão do CEJAM, que é uma entidade filantrópica e sem fins lucrativos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here