Setembro Amarelo: especialista explica a relação entre açúcar e a depressão

Um dos inimigos na batalha pela saúde mental é a ingestão frequente e exagerada de açúcar | Foto: divulgação

A depressão volta à cena neste mês por causa do Setembro Amarelo. Com várias iniciativas, a campanha serve para a conscientização dos perigos que envolvem a doença e dá dicas sobre como evitá-los. Um dos inimigos na batalha pela saúde mental é a ingestão frequente e exagerada de açúcar.

A consultora nutricional da marca Cuida Bem, Bruna Pavão, explica que já existem estudos que relacionam o excesso de doces a uma maior incidência da depressão. “De acordo com algumas pesquisas, o alto consumo, por um período prolongado, pode aumentar em até 23% as chances de desenvolver transtornos de humor.” Ela também pontua que o açúcar em grandes quantidades tem potencial de provocar estímulos cerebrais da mesma forma que algumas drogas, como cocaína e heroína. “Ou seja, pode viciar em igual medida, ou mais”, destaca Bruna.

Resposta inflamatória
Para entender melhor o papel dos doces para quadros de transtornos de humor, é preciso compreender a relação com o organismo humano. O primeiro ponto destacado pela especialista é que os carboidratos (classificação na qual entra o açúcar) podem levar ao aumento de substâncias pró-inflamatórias responsáveis pela liberação de neurotransmissores como o cortisol e a noradrenalina. Em desequilíbrio, os dois são capazes de impactar negativamente o estado de ânimo.

Excesso prejudicial
Apesar de os doces serem comumente relacionados a sensações de prazer, se consumidos em doses exageradas há o aumento da taxa de açúcar na corrente sanguínea. Em resposta, o pâncreas produz mais insulina, hormônio que carrega o açúcar para o interior das células e quando fica acima do nível considerado normal, provoca alterações no organismo e também no humor.

“O hábito de se alimentar bem e corretamente, por meio de uma dieta rica em fibras e com o consumo adequado de alimentos com baixo, médio ou alto índice glicêmico, diminui o risco de depressão e de sofrer com mudanças no humor em cerca de 25% a 35%. Por isso, deve-se evitar um cardápio com excesso de farinhas processadas e açúcar, que atrapalham a digestão e a flora intestinal”, orienta a consultora nutricional.

Então, o intestino tem uma função fundamental na hora de consumir os alimentos em favor do humor. Bruna explica que “banana, chocolate amargo, peixes e produtos lácteos são boas fontes de triptofano, um aminoácido que não é produzido pelo corpo humano e que eleva a concentração de serotonina, produzida em sua maior parte pelas células desse órgão. O açúcar em si não tem necessariamente relação com o prazer”.

Ainda assim, um doce consumido às vezes, tudo bem, segundo a especialista, a ingestão diária deve ser limitada a uma porção pequena. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda a ingestão máxima de 50 gramas (g) de açúcar por dia, enfatizando que o ideal é não ultrapassar os 25g. Então, uma sugestão é “substituir as sobremesas por alimentos naturalmente doces, como as frutas”, orienta Bruna.

O que é contraindicado mesmo é o hábito de ingerir bebidas açucaradas, tais como refrigerantes e sucos industrializados. De acordo com a especialista, “estudos observacionais apontam que o consumo prolongado delas diminui o volume total do cérebro, afeta a memória, pode causar alterações de humor e levar a um maior risco de derrame e demências de forma geral”.

Alerta
Bruna ainda ressalta que a depressão é uma doença psiquiátrica e multifatorial. “Ela vem acompanhada de alterações de humor como tristeza profunda, sentimentos de dor sem causa específica, baixa autoestima e culpa; também pode estar associada a distúrbios do sono e alimentares. É importante buscar ajuda e aproveitar correntes como as provocadas pelo Setembro Amarelo para discutir o tema abertamente”. Depressão é um estado de saúde sério e precisa ser avaliado com atenção e urgência.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here